Ceres Hadich vive en el asentamiento María Lara, en Paraná, Brasil; desde hace 18 años dedica su vida a la agroecología, desde la cual construye relaciones humanas, sociales, ambientales y culturales transformadoras: entre la humanidad y la naturaleza.


 

La relación de Ceres Hadich con la tierra es intensa. Para ella, producir alimentos involucra una serie de problemas sociales, políticos, humanos y ambientales.

Graduada en Agronomía de la Universidade Federal do Paraná (UFPR) y con una maestría en Agroecología y Agricultura Sostenible de la Universidad Agraria de La Habana, Ceres tiene 36 años y vive en asentamientos desde hace 18 años. Actualmente vive en el asentamiento María Lara, en Centenário do Sul (región norte del estado de Paraná), con su pareja y dos hijos; uno de siete años y otro de ocho meses. Ceres también es miembro del Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) y coordinador nacional del MST para el estado de Paraná.

La comida producida en el asentamiento de Maria Lara es comercializada y donada por el Feirão da Resistência Agrária en Londrina. El Feirão surgió en 2018 como una iniciativa de movimientos populares, sindicatos y el MST, y tiene como objetivo distribuir la producción de alimentos de asentamientos en la región a la gente de las ciudades.

Dejar un mundo mejor y más humano para las generaciones futuras es lo que Ceres más desea hacer. «Lo que me inspira a producir y construir agroecología es lo que me inspira a vivir», dice.

¿Cómo es ser mujer y trabajar en la agricultura?

Comienzas con una pregunta muy estimulante. Esto me parece una provocación, porque seguramente estás hablando de una disputa sobre las cosmovisiones y una disputa hegemónica que existe no solo en la agricultura, sino en todo el mundo.

Si observamos la esencia, podemos decir que ser mujer y trabajar en la agricultura es lo más natural en la vida y la historia, porque las mujeres son responsables de cuidar y administrar la vida desde el principio de la humanidad, y el descubrimiento de la agricultura está directamente relacionado con el trabajo realizado por las mujeres en las comunidades originales de todo el mundo. Entonces, ser mujer y trabajar en la agricultura es una relación directa, natural y próspera.

Sin embargo, en una cosmovisión hegemónica, en la que el agronegocio es la fuerza del capital en la agricultura (que también es la fuerza del patriarcalismo en la agricultura), ser mujer es un desafío permanente. Ser mujer en este escenario es estar en un desafío constante de relaciones, opresión y superación de estas opresiones. Se trata de negaciones, violencia y, especialmente, una invisibilidad permanente y absoluta sobre el papel y el desempeño de las mujeres en el campo.

Brasil es uno de los países que más usa pesticidas en el mundo. En este escenario, ¿cuáles son los desafíos de trabajar con alimentos orgánicos?

El campo brasileño proviene de una estructura agraria de relaciones de poder económico y social extremadamente arcaicas; basado en esta estructura de tierra que dio lugar al agronegocio, que es el latifundio. Así que esta es una lógica que refleja esta visión del mundo del uso abusivo de pesticidas.

También es importante recordar que cuando hablamos de agricultura orgánica, terminamos restringiendo el debate a una porción que el propio capital acepta. La agricultura ecológica también se convierte en una posibilidad o una alternativa al mercado, pero dentro del mercado mismo.

Para nosotros, debatir un contrapunto al uso de pesticidas nos pone en el desafío de ir más allá de este debate sobre agricultura orgánica, que técnicamente puede basarse simplemente en la sustitución de insumos y esto se mantiene en las mismas proporciones agrarias, los mismos métodos, las mismas injusticias y las mismas relaciones sociales y económicas que el campo. Entonces, la gente del MST entiende que esto no es suficiente, creemos que para el agronegocio también es posible producir orgánicamente, incluso es necesario, y ha buscado alternativas. 

En este sentido, lo que construimos en el movimiento durante al menos 20 años con el nombre de agroecología es una perspectiva mucho más amplia, es una perspectiva de enfrentar directamente al capital, el modelo de agronegocios. Es mucho más que intercambiar pesticidas por insumos biológicos, porque cuando hablamos de agroecología, también hablamos de relaciones transformadoras: relaciones humanas, entre hombres y mujeres, entre adultos y niños, entre nosotros y la naturaleza, entre nosotros y el mundo.

Cuéntanos cómo es la vida en un asentamiento.

El 22 de mayo de 2002 fue la primera vez que entré en un asentamiento de reforma agraria. Fue el asentamiento de Contestado da Lapa y tuve mi primer contacto real con el MST, dentro de un asentamiento conquistado por la lucha, por la organización de trabajadores. A partir de entonces, comencé a tener una relación muy estrecha con el MST. En 2011, me mudé con mi pareja al asentamiento donde estoy hoy.

La gente suele decir que el asentamiento es un buen lugar para vivir. Es un buen lugar para criar a nuestros hijos, un lugar donde somos felices, donde cumplimos nuestros sueños, donde podemos experimentar otra forma de ver y vivir el mundo. Entonces, el asentamiento también tiene esta visión utópica y emocional vinculada a nuestros sueños, porque es parte de la realización de un sueño fundamental para cualquier Sem Terra (Sin Tierra; uno de los movimientos más importantes de la izquierda brasileña), que es la conquista de la tierra.

El asentamiento tiene esta carga emocional de lograr la materialización del sueño. También digo que el asentamiento ofrece un contrapunto directo a este modelo de agronegocio. El campo brasileño es vasto, es diverso, es gigante, pero cuando caminas por los rincones de Brasil puedes ver dónde hay un asentamiento de reforma agraria, porque visualmente se opone directamente al agronegocio. Ves casas, ves animales, ves personas, ves diversidad, biodiversidad, ves vida. Y esto también es un significado de vivir en una comunidad de reforma agraria: vida, diversidad y nuevas relaciones.

Entonces, vivir en un asentamiento es experimentar un poco de lo que soñamos, un poco de lo que creíamos que era posible y que ahora estamos construyendo. Los asentamientos son comunidades: comunidades de reforma agraria, comunidades de vida, donde criamos a nuestros hijos, los hijos de nuestros hijos, los hijos de nuestros vecinos, nuestros compañeros. Vemos a estos niños crecer en libertad, con alegría, con la posibilidad de tener una calidad de vida muy alta. Tenemos la posibilidad de determinar nuestro trabajo, producir y reproducir nuestra propia existencia a partir de nuestro trabajo y nuestros propios medios de producción. Después de todo, somos el fruto de esta conquista de la tierra.

¿Cómo es trabajar con la agricultura familiar en medio de una pandemia?

Sin duda, nos sorprendió esta expresión de esta crisis global del capitalismo. Creo que es importante que nunca disociamos esto: esta pandemia es parte de esta disrupción que es el capitalismo. El capitalismo genera crisis en todos los sectores y estamos atravesando una profunda crisis estructural que ya ha tenido sus impactos en la economía, las relaciones sociales y el papel del estado.

Aquellos en las ciudades del interior de Brasil sintieron mucho menos el impacto de la pandemia que aquellos en las grandes ciudades. La mayoría de los asentamientos se encuentran en ciudades del interior y están en una condición más aislada que las de las ciudades.

Pero lo que ha revelado esta pandemia es el papel que desempeña la agricultura familiar en Brasil y en el mundo. Es algo que ya estamos advirtiendo: la agricultura familiar es responsable de producir alimentos para el pueblo brasileño y para la población mundial en general. Nuestro proceso de manipulación de alimentos siempre se ha realizado con gran cuidado, limpieza e higiene. Y en este período, hemos reforzado toda esta atención aún más.

¿Cómo han sido las acciones de caridad “Feirão da Resistência” en esta pandemia?

El Feirão da Resistência surgió con una naturaleza, valores y principios muy diferentes. Entonces, no es simplemente una feria, es una feria que trae diferentes valores humanos: compartir y solidaridad. Es importante señalar que el Feirão tiene una práctica permanente de donación de alimentos para comunidades necesitadas.

Debido a la pandemia, tuvimos que reanudar el Feirão en el modo virtual. Y además de la venta de canastas con productos producidos en los asentamientos de la región, también hemos donado alimentos. El hambre es un problema que siempre ha existido, pero está empeorando en este período pandémico. Hemos estado dispuestos a donar alimentos a las familias que nos visitan durante la entrega de las canastas. Son familias necesitadas que buscan una salida.

Además, el MST ha tomado varias medidas en Brasil. Específicamente en el estado de Paraná, hemos estado llevando a cabo una campaña de solidaridad muy llamativa y en los últimos dos meses se han sido más de 200 toneladas de alimentos donados. Tenemos el objetivo de donar al menos 10 toneladas de alimentos a la semana. Y también me gustaría enfatizar que la solidaridad para nosotros no es regalar lo que queda, sino lo que tenemos y lo que tenemos hoy.

¿Qué te inspira a producir alimentos orgánicos?

A los efectos de la legislación y el cumplimiento de las normas, producimos alimentos orgánicos certificados por una red de agroecología, Rede Ecovida. Entonces, lo que me inspira a producir y construir agroecología es lo que me inspira a vivir. Tengo esta comprensión en mi familia. Mi pareja y yo tratamos de transmitir esto como un valor para nuestros hijos. Creemos que lo que estamos construyendo con la agroecología también ayuda a construir nuevas relaciones humanas, sociales, ambientales y culturales.

Esto es lo que nos inspira a trabajar con la tierra, con la producción, con la vida, con el cuidado y con las semillas. Es una manera de hacerlo de manera diferente, de vivir mejor para nosotros que estamos en el campo, para los que están en la ciudad, para los que viven hoy y para los que aún no han llegado a este mundo.

Necesitamos tomar esto como una misión, construir un mundo mejor, construir mejores relaciones, construir diferentes relaciones, y creemos que la agroecología es parte de todo esto.

¿Cuál es tu comida favorita?

Nunca me detuve a pensarlo, ¿sabes por qué? ¡Porque realmente me gusta comer mucho! Y para mí y nuestro movimiento, comer es un acto político, es un derecho. La comida cuenta nuestra historia, nuestra construcción cultural, social y política. La comida determina todo. Entonces, comer significa mucho para mí.

Pero creo que mi comida favorita es la comida campestre, es la comida brasileña, la que producimos y comemos, ¿sabes? Ya sea el pollo que cultivamos, con el maíz que producimos, o haga una polenta con las especias que tenemos en nuestro jardín, como la cebolla, el ajo y la cebolla puerro.

Eso para mí es sabor, historia, autodeterminación y soberanía. Entonces, mi comida favorita es la que puedo producir y determinar cómo quiero comer, cómo voy a comer y cuándo voy a comer. Me gusta saber de dónde vino, la calidad que tiene y los significados que tiene para mí. Esta es mi comida favorita.

 ¿Cuál es tu mayor temor?

Mi mayor temor es no poder dejar un mundo mejor para mis hijos, mis sobrinos, mis amigos y las futuras generaciones. Ciertamente no crecí en un mundo perfecto. Crecí en la ciudad, pero jugaba en la calle, sin mucha preocupación y con acceso a la educación y la cultura. Crecí con posibilidades de estudiar, crecer humanamente, tener el amor de mi familia, vivir con libertad y tomar decisiones que me permitieran ser una mejor persona. Y me temo que no podré dejarlo todo cuando me vaya de aquí: un mundo más libre, más humanizado, más desarrollado cultural, científica y tecnológicamente.

 ¿Qué sueles hacer cuando estás triste?

En la tristeza, que es parte de la vida, trato de reconectarme con el silencio. Me parece interesante tratar de escuchar el silencio, el silencio interior. Trato de reflexionar sobre lo que me está causando esta tristeza, para saber qué puedo cambiar, si es mía o si no lo es, también.

Cuando estoy triste busco esto: tratar de ser más reflexiva, más tranquila y buscar causas para enfrentar todo esto con serenidad, calma y respiración. Ahora más que nunca, pero siempre como práctica. Cuando las cosas parecen más difíciles, más nebulosas, más extrañas, más difíciles de encontrar, la respiración nos ayuda a encontrar un camino, un reflejo, una apertura, una alternativa para que seamos más serenos y felices.

¿Qué música siempre te hace bailar?

Una canción que siempre me hace bailar es forró. Forró es muy brasileño, es muy nuestro, es nuestra cultura. Creo que nos cuenta un poco sobre lo que somos como pueblo brasileño. ¡Samba también me hace bailar! Realmente me gustan este tipo de canciones, porque me hacen sentir bien, me hacen feliz, me hacen sentir en Brasil, que es el territorio de una gente que amo, de la que quiero cuidar y vigilar.

***

Ceres Hadich, uma força feminina no campo brasileiro

A relação de Ceres Hadich com a terra é intensa. Para ela, produzir alimentos perpassa por uma série de questões sociais, políticas, humanas e ambientais.

Graduada em Agronomia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e com mestrado em Agroecologia e Agricultura Sustentável pela Universidad Agraria de La Habana, Ceres tem 36 anos e há 18 vive em assentamentos. Atualmente, ela mora no assentamento Maria Lara, em Centenário do Sul (região norte do estado do Paraná), com seu companheiro e os dois filhos, um de sete anos e o outro de oito meses. Ceres também é militante do Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST) e coordenadora nacional do MST pelo estado do Paraná.

Os alimentos produzidos no assentamento Maria Lara são comercializados e doados pelo Feirão da Resistência Agrária em Londrina. O Feirão surgiu em 2018 e é uma iniciativa de movimentos populares, de sindicatos e do MST e tem como intuito distribuir a produção dos assentamentos da região à população das cidades.

Deixar um mundo melhor e mais humano para as gerações futuras é o que Ceres mais deseja fazer. “O que me inspira a produzir e construir a agroecologia é o que me inspira a viver”, afirma a assentada.

Como é ser uma mulher e trabalhar com agricultura?

Você começa com uma pergunta bastante instigante. Isso me parece uma provocação, porque seguramente você está falando de uma disputa de visões de mundo e de uma disputa hegemônica que existe não só na agricultura, mas no mundo como um todo.

Se a gente for olhar na essência, a gente pode dizer que ser mulher e trabalhar na agricultura é o que há de mais natural na vida e na história, porque as mulheres são responsáveis por zelar, cuidar, gestar e administrar a vida desde o início da humanidade, e a descoberta da agricultura está diretamente ligada ao trabalho realizado pelas mulheres nas comunidades originárias no mundo. Então, ser mulher e trabalhar na agricultura é uma relação direta, natural e próspera.

Porém em uma visão de mundo hegemônica, na qual o agro é a força do capital na agricultura, (que também é a força do patriarcalismo na agricultura), ser mulher é um desafio permanente. Ser mulher nesse cenário é estar em um desafio constante de relações, opressões e superação dessas opressões. É lidar com negações, violência e especialmente uma invisibilidade permanente e absoluta sobre o papel e a atuação das mulheres no campo.

O Brasil é um dos países que mais usa agrotóxicos no mundo. Neste cenário, quais são os desafios de trabalhar com alimentos orgânicos?

O campo brasileiro vem de uma história, de uma estrutura agrária de relações de poderes econômicos e sociais extremamente arcaicos. E baseado nessa estrutura fundiária que se deu origem ao agronegócio, que é o latifúndio. Então essa é a lógica do agro, uma lógica que reflete essa visão de mundo do uso abusivo do agrotóxico.

É importante lembrar também que quando a gente fala em agricultura orgânica, a gente acaba restringindo o debate a uma fatia que o próprio capital aceita. A agricultura orgânica também se converte como uma possibilidade ou uma alternativa ao mercado, mas dentro do próprio mercado.

Para nós, debater um contraponto ao uso dos agrotóxicos nos coloca em um desafio de ir além desse debate da agricultura orgânica – que tecnicamente pode se basear simplesmente na substituição de insumos e isso se mantendo as mesmas proporções agrárias, os mesmos métodos, as mesmas injustiças e as mesmas relações sociais e econômicas do campo. Então, a gente do MST entende que isso não é o suficiente, a gente acredita que para o agro também é possível produzir organicamente, inclusive é necessário.

Há vários estudos do agronegócio que vêm desmontando isso: de que o agronegócio também tem percebido a falência desse modelo e tem buscado alternativas, inclusive nos insumos orgânicos, na agricultura alternativa. Nesse sentido, o que a gente constrói no movimento e vem construindo há pelo menos 20 anos com o nome de agroecologia é uma perspectiva bem mais ampla, é uma perspectiva de enfretamento direto ao capital, ao modelo do agronegócio.

É muito mais do que você trocar o agrotóxico pelo insumo biológico, porque quando a gente está falando em agroecologia, a gente também está falando em transformar relações: as relações humanas, entre homens e mulheres, entre adultos e crianças, entre nós e a natureza, entre nós e mundo.

Conte-nos como é a vida em um assentamento.

Dia 22 de maio de 2002 foi a primeira vez que eu pisei em um assentamento de reforma agrária. Foi o assentamento Contestado da Lapa e foi ali o meu primeiro contato real com o MST, dentro de um assentamento conquistado pela luta, pela organização dos trabalhadores. A partir de então eu passei a ter uma relação muito próxima com o MST. Já em 2011, me mudei com o meu companheiro para o assentamento no qual estou hoje.

A gente costuma dizer que o assentamento é um lugar bom de viver. É um lugar bom para criar os nossos filhos, um lugar onde a gente é feliz, onde a gente realiza os nossos sonhos, onde a gente pode experimentar outra forma de ver e de viver o mundo. Então, o assentamento também tem essa visão utópica e emocional vinculada aos nossos sonhos, porque ele é parte da realização de um sonho fundamental para qualquer Sem Terra, que é a conquista da terra.

O assentamento tem essa carga emocional da conquista da materialização do sonho muito forte. Eu costumo dizer também que o assentamento oferece um contraponto direto a esse modelo do agronegócio. O campo brasileiro é vasto, é diverso, ele é gigante, mas ao andar pelos cantos do Brasil você consegue perceber onde há um assentamento de reforma agrária, porque visualmente ele se contrapõe diretamente ao agronegócio. Você vê casas, você vê animais, você vê gente, você vê diversidade, biodiversidade, você vê vida. E esse também é um sentido do viver em uma comunidade de reforma agrária: a vida, a diversidade e as novas relações.

Então, viver em um assentamento é experimentar um pouco daquilo que a gente sonhou, um pouco daquilo que a gente acreditou que era possível e que agora a gente está construindo. Os assentamentos são comunidades: comunidades de reforma agrária, comunidades de vida, onde a gente cria os nossos filhos, os filhos dos nossos filhos, os filhos dos nossos vizinhos, os nossos companheiros e companheiras. A gente vê essas crianças crescendo em liberdade, com alegria, com possibilidade de ter uma qualidade de vida altíssima. Temos possibilidades de determinar o nosso trabalho, produzir e reproduzir a nossa própria existência a partir do nosso trabalho e dos nossos próprios meios de produção. Afinal a gente é fruto dessa conquista da terra.  

Como está sendo trabalhar com agricultura familiar no meio de uma pandemia?

Sem dúvida nenhuma a gente foi pego de surpresa por essa expressão dessa crise mundial do capitalismo. Acho que é importante a gente nunca desassociar isso: essa pandemia é parte dessa desestruturação que é o capitalismo. O capitalismo gera crises em todos os setores e a gente vem passando por uma crise estrutural profunda que já tinha tido os seus impactos na economia, nas relações sociais e no papel do estado.

Quem está nas cidades do interior do Brasil sentiu muito menos o impacto da pandemia do quem está nos grandes centros. A maioria dos assentamentos estão em cidades do interior e estão em uma condição de isolamento maior do que quem está nas cidades.

Mas o que essa pandemia tem revelado é o papel que a agricultura familiar cumpre no Brasil e no mundo. É algo que a gente já vem alertando: a agricultura familiar é responsável por produzir alimento para o povo brasileiro e para a população mundial como um todo. O nosso processo de manipulação dos alimentos sempre foi feito com bastante zelo, cuidado, limpeza e higiene. E nesse período a gente tem reforçado todos esses cuidados ainda mais.

Como têm sido as ações de caridade do “Feirão da Resistência” nesta pandemia?

O Feirão da Resistência surgiu com uma natureza, valores e princípios bem diferentes. Então, ele não é simplesmente uma feira, ele é uma feira que traz valores humanos diferenciados, de partilha e de solidariedade. É importante ressaltar que o Feirão tem uma prática de doação de alimentos permanente para comunidades carentes.

Por conta da pandemia, a gente teve que retomar o Feirão na modalidade virtual. E para além da venda de cestas com os produtos produzidos nos assentamentos da região, também temos feito doações de alimentos. A fome é uma mazela que sempre existiu, mas que está se agravando muito nesse período de pandemia. A gente tem se disponibilizado a doar alimentos para as famílias que nos procuram durante as entregas das cestas. São famílias carentes que estão indo buscar alguma saída.

Além disso, o MST tem feito várias ações no Brasil. Especificamente no estado do Paraná, a gente tem feito uma campanha de solidariedade bastante contundente e já nos últimos dois meses foram mais de 200 toneladas de alimentos doados. Temos uma meta de doar pelo menos 10 toneladas por semana de alimento. E queria frisar também que a solidariedade para nós não é doar aquilo sobra, mas sim aquilo que a gente tem e aquilo que a gente tem hoje.

O que te inspira a produzir alimentos orgânicos?

Para fins de legislação e adequação às normas, a gente produz alimentos orgânicos certificados por uma rede de agroecologia, a Rede Ecovida. Então, o que me inspira a produzir e construir a agroecologia é o que me inspira a viver. Tenho esse entendimento na minha família, eu e o meu companheiro tentamos passar isso como valor para os nossos filhos. A gente acredita que o que estamos construindo com a agroecologia também ajuda a construir novas relações: novas relações humanas, novas relações sociais, ambientais e culturais.

Então é isso o que nos inspira a trabalhar com a terra, com a produção, com a vida, com os cuidados e com as sementes. É um jeito de fazer diferente, de viver melhor para nós que estamos no campo, para quem está na cidade, para quem está vivendo hoje e para quem ainda vai chegar nesse mundo.

A gente precisa assumir isso como missão, de construir um mundo melhor, construir relações melhores, construir relações diferentes e a gente acredita que a agroecologia é parte de tudo isso.

Qual é a sua comida preferida?

Nunca parei para pensar sobre isso, sabe por quê? Porque eu gosto muito de comer, muito! E para mim e para o nosso movimento comer é um ato político, é um direito. A comida diz da nossa história, da nossa construção cultural, social e política. A comida determina tudo. Então, comer significa muito para mim.

Mas eu acho que a minha comida preferida é a comida caipira, é a comida brasileira, essa que a gente produz e come, sabe? Seja o frango que a gente cultivou, com o milho que a gente produziu, seja fazer uma polenta com os temperos que a gente tem na nossa horta, como cebola, alho e alho-poró.

Isso para mim é sabor, história, autodeterminação e soberania. Então a minha comida preferida é aquela que eu sou capaz de produzir e de determinar como eu quero comer, o jeito que eu vou comer e quando eu vou comer. Gosto de saber de onde ela veio, da qualidade que ela tem e dos sentidos que ela tem pra mim. Essa é a minha comida preferida.

Qual é o seu maior medo?

O meu maior medo é não ser capaz de deixar um mundo melhor para os meus filhos, para os meus sobrinhos, para os meus amigos e as gerações futuras que virão.  Eu certamente não cresci em um mundo perfeito. Eu cresci na cidade, mas brincava na rua, sem muitas preocupações e com acesso à educação e cultura. Cresci tendo possibilidades de estudar, crescer humanamente, ter o amor da minha família, viver com liberdade e fazer escolhas que me permitiram me tornar uma pessoa melhor. E eu tenho medo de não poder deixar tudo isso quando eu me for daqui: um mundo mais livre, mais humanizado, mais desenvolvido culturalmente, cientificamente e tecnologicamente.

O que você costuma fazer quando está triste?

Na tristeza, que é parte da vida, eu tento me reconectar com o silêncio, ouvir o silêncio – se é que ele existe, né? Tem esse pensamento que eu acho interessante que é tentar escutar o silêncio, o silêncio interior. Eu tento refletir sobre aquilo que tá me causando essa tristeza, saber o que eu posso mudar a partir dessa tristeza, se ela é minha ou se ela não é também.

Quando eu estou triste eu procuro isso: tentar ficar mais reflexiva, mais quieta e buscar nas causas enfrentar tudo isso com serenidade, com calma e ir respirando. Agora mais do que nunca, mas sempre isso como uma prática. Quando as coisas parecem mais difíceis, mais nebulosas, mais esquisitas, mais difíceis de encontrar saídas, a respiração nos ajuda a encontrar um caminho, uma reflexão, uma abertura, uma alternativa pra gente ser mais sereno e mais feliz.

Que música sempre te faz dançar?

Uma música que sempre me faz dançar é o forró. O forró é muito brasileiro, é muito nosso, é muito nossa cultura. Eu acho que ele diz para nós um pouco daquilo que a gente é enquanto povo brasileiro. O samba também me faz dançar! Eu gosto demais desses tipos de músicas, pois elas me fazem bem, me deixam feliz, me fazem me sentir no Brasil, que é um território de um povo que eu amo, que eu quero cuidar e zelar.

***

Ilustración: Alma Ríos. 

mm

Mariana Sanches Otta

Brasil (1995). Se graduó en la Universidade Estadual de Londrina (UEL) y ha trabajado con radio y periodismo en línea. Le gusta estudiar los problemas de las minorías, especialmente las mujeres. La literatura es una de sus pasiones. En periodismo le gusta explorar temas no reportados e invisibles. Cree que la información es uno de los medios para transformar la sociedad.

Deja un comentario